TTF Brasil - Notícias

Notícias de parceiros

  • Instituto Justiça Fiscal

    A Injustiça Fiscal da Política de Austeridade

    Austeridade é política de corte para satisfazer o mercado financeiro. Entrevista com economista Marcelo Milan. [Leia Mais]

  • Outras Palavras

    Dowbor: como as corporações cercam a democracia

    Como os chacais desafiam o funcionamento das instituições políticas e jurídica em busca de ganhos fartos. [Leia Mais]

  • Instituto Justiça Fiscal

    Despesas da Copa do Mundo

    Ministério Público do Rio Grande do Sul requer que Fifa e Internacional devolvam dinheiro gasto com estruturas temporárias da Cop [Leia Mais]

  • Outras Palavras

    Democracia e Capitalismo, divórcio definitivo

    Num livro que diz muito ao Brasil, Wolfgang Streeck expõe mecanismos que permitiram à aristocracia financeira controlar Estado e m&iacut [Leia Mais]

Arquivos de Notícia

Últimas notícias

  • 19.08.2016 - Gestos promove tuitaço por democracia econômica e em defesa do SUS [Leia Mais]

  • 04.08.2016 - Devo não nego, pago quando puder [Leia Mais]

  • 15.07.2016 - Gestos encaminha pedido de audiência pública para debater TTF no Congresso Nacional [Leia Mais]

  • 05.07.2016 - Projeto Robin Hood quer reduzir desigualdades [Leia Mais]

  • 04.07.2016 - A crise do capitalismo financeiro vai ao cinema [Leia Mais]

  • 22.06.2016 - Mastigando o Economês: Meta Fiscal e Dívida Pública [Leia Mais]

  • 06.06.2016 - Educação Política e Econômica, eis a nossa proposta! [Leia Mais]

  • 16.05.2016 - A Consistência dos Inconsistentes [Leia Mais]

  • 13.05.2016 - Os Panama Papers e a necessidade de monitorar o fluxo de capitais [Leia Mais]

  • 11.05.2016 - Os efeitos positivos dos tributos sobre transações financeiras (TTF) no Brasil [Leia Mais]

  • 03.05.2016 - IOF para compra de moeda estrangeira sobe de 0,38% para 1,10% [Leia Mais]

  • 02.05.2016 - Novo Marco Regulatório das ONGs assinado pela Presidenta Dilma é debatido no Recife [Leia Mais]

  • 20.04.2016 - TIRADENTES, PIONEIRO NA LUTA CONTRA OS IMPOSTOS [Leia Mais]

  • 14.04.2016 - Artigo - IOF: o que é e o que pode ser? [Leia Mais]

  • 29.03.2016 - Combater a sonegação também é fazer justiça fiscal [Leia Mais]

  • 28.03.2016 - Democracia e Direitos para uma Política Madura [Leia Mais]

  • 11.03.2016 - JUSTIÇA FISCAL E O LUCRO DOS BANCOS [Leia Mais]

  • 01.03.2016 - Com animação fica mais fácil de entender [Leia Mais]

  • 24.07.2015 - Terceira Conferência do Financiamento para o Desenvolvimento Desaponta e perde Ambição [Leia Mais]

Democracia Econômica e a Política Multilateral

Um balanço do que tem acontecido no espaço das relações internacionais da sociedade civil organizada com os governos e organismos de governança multilateral.

No ambiente climatizado das Nações Unidas, diversos personagens negociam sobre as diretrizes fundamentais para uma possível organização institucional voltada para erradicar a pobreza e reduzir as desigualdades geradas pelo sistema de apropriação, expropriação e destruição que sustentam as relações econômicas contemporâneas no mundo. A chamada Agenda Pós-2015, que consiste de duas grandes negociações, os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e a III Conferência Internacional de Financiamento para o Desenvolvimento. Sendo que esta deve servir de base para apontar os meios de implementação da agenda para os próximos quinze anos.

As negociações multilaterais são exercícios de paciência. Cada país, ou grupo de países, estão concentrados em defender seus interesses diretos. O Grupo Árabe, por exemplo, não abre mão, "combustíveis fósseis não deveria estar nas negociações de financiamento para o desenvolvimento", em preparação para a terceira Conferência Internacional, a ocorrer em Addis Abeba em julho. E "reduzir os subsídios estatais para as empresas de exploração de petróleo não pode ser um objetivo", afirmou peremptoriamente o Embaixador do Egito representando o grupo. Enquanto a União Europeia defende não só a redução dos subsídios, mas a taxação extra sobre o carbono e os combustíveis fósseis. Diante da evidência sobre os efeitos causados pela combustão e exaustão de carbono, seria de se esperar um acordo mais tranquilo no setor quando se pensa em desenvolvimento sustentável e redução dos efeitos das mudanças climáticas. No entanto nada é assim tão simples.

No rascunho zero da negociação da FpD, parágrafo 62, aparece pela primeira vez a menção de tributos sobre transações financeiras. O relatório do IECSDF, Comitê de Peritos em Financiamento para Desenvolvimento Sustentável, onde tive a oportunidade de defender as TTF pela Gestos e a campanha TTF Brasil num discurso em março de 2014, continha uma indicação para o trabalho do Leading Group em Fontes Inovadoras de Financiamento, mas não nomeava tão claramente. As discussões desse rascunho duas semanas atrás, precedida por um diálogo com a sociedade civil, em que desta vez representando também a Abong defendi a TTF como princípio e instrumento, além de flechar o conceito 'democracia econômica', tiveram momentos tensos quando, primeiro o negociador americano – John Hurley, do Tesouro – e depois o representante do FMI foram taxativos em recusarem a TTF como 'distorcionário' (sic) do mercado financeiro. Exceto pela sociedade civil, nenhum país defendeu abertamente as TTF, um ponto contencioso sem dúvida. Regulação do sistema financeiro é um tema tabu em ambas as negociações (ODS e FpD), por mais que seja pedida pelos co-facilitadores das duas, mas muitos países não arredam de seus privilégios. Este é um tema que consegue unir o Grupo Árabe, a União Europeia e os Estados Unidos e o Japão, sem citar é claro as jurisdições de privilégio fiscal como Lichtenstein e Luxemburgo. O ponto fundamental é: como falar de sustentabilidade e manter os vícios que geram e alimentam a desigualdade como os 'paraísos fiscais', o fluxo ilícito de capital e os benefícios ao mercado financeiro?

Falar de progressividade fiscal é possível, contanto que não se aventurem a querer implementação, pois os mantras neoclássico e neoliberal continuam dominante na mente de vários negociadores, "imposto sobre riqueza é ruim para o investimento". Ainda bem que as negociadoras percebem a falácia do discurso economicista e centram de forma pragmática em busca de soluções para a desigualdade em geral e a de gênero em particular. Só o fato de se equiparar o salário das mulheres com o dos homens em mesmas funções poderia elevar o PIB dos países em até 15%. Investir em economia de gênero é investimento inteligente a longo-prazo. E aí vive um dos nós do acelerado sistema econômico que preza o curto-prazo e a especulação financeira. Como superar essa contradição imanente?

As negociações continuam em maio e junho, quando representantes de governos buscarão fechar um acordo que seja anunciado e assinado pelos países na Conferência Internacional de Financiamento para o Desenvolvimento em Addis Abeba, entre os dias 16 e 19 de julho. O exercício de ativismo político tem sido feito ao mesmo tempo em que ocorrem as negociações, tanto no âmbito nacional quanto no internacional. Uma coalizão de organizações internacionais seguem atentamente o movimento dos países e contribui com críticas e sugestões concretas para alterações positivas ao documento, tentando conter a tendência de se acomodar às formas já estabelecidas, sem qualquer alteração propositiva que reconheça os danos deixados pela história e a necessidade de alteração nas práticas, com a definição de políticas que afirmem a direção a ser tomada para uma regeneração do caminho de desenvolvimento humano e ambiental sustentável.

Enquanto em Nova York, durante a semana dos diálogos interativos, aproveitando uma boa relação institucional construída com a Missão do Brasil na ONU, incluindo com o Embaixador Guilherme Patriota, colocamos as preocupações da sociedade civil brasileira contida no documento resultado da consulta feita pela Abong, com apoio da FES em São Paulo no ano passado, e do contínuo trabalho das organizações brasileiras que estão acompanhando a agenda internacional. Recebemos apoio e compreensão sobre os temas que levamos e um tema em especial foi anunciado pelo Brasil na última semana de negociação de Abril, o de Democracia Econômica. Já que TTF e outras demandas específicas encontram severa resistência no ambiente de negociação intergovernamental, inclusive com o retrocesso da posição do G77+China referente ao tema, optando por manter 'fontes inovadoras de financiamento', mas retirar as especificidades de que tipos de mecanismos são esses, satisfazendo também o Grupo Árabe que assim retira a menção de tributos sobre o carbono.

Um dos desafios para a sociedade civil organizada é conseguir demonstrar as contradições entre discurso e ação na busca para o desenvolvimento sustentável e inclusivo, com respeito aos direitos humanos e à equidade de gênero.

A pressão do setor privado em estabelecer as normas da terceirização como provedores de serviços que são essencialmente públicos é enorme, feita com bastante recurso financeiro e humano. Além da presença no ambiente multilateral, garante influência no nível nacional, com governos facilmente defendendo suas posições, como se esse abstrato 'setor privado' fosse a principal fonte de financiamento para a Agenda Pós-2015, que tem sido o momento de refletir sobre os não alcançados Objetivos de Desenvolvimento do Milênio ao redor do planeta. Ou seja, há uma assimetria de poder de ação, e é muito grande. É com muita tenacidade, consistência e bom senso que a sociedade civil consegue furar o bloqueio institucional e fazer com que as representações governamentais defendam os interesses públicos para além de interesses particularmente limitados a algumas classes e setores. Parada duríssima, que no nível nacional mostra-se ainda mais complicado diante de um quadro político de barganhas diretas de um Congresso majoritariamente em defesa dos interesses de grupos empresariais e religiosos. O momento é crítico. A volta do retrocesso é evidente, e isso é o que de pior se poderia imaginar a caminho de um desenvolvimento que seja essencialmente baseados nos três pilares de sustentabilidade social, ambiental e econômica, em harmonia, "de uma forma holística", como gosta de repetir o Embaixador Macharia Kamau do Quênia, co-facilitador dos ODS.

O resultado da Conferência servirá de base para a definição dos meios de implementação dos Objetivos a serem aprovados em setembro, durante a Assembleia Geral. A esperança é que tais documentos possam servir para influenciar as direções e decisões tomadas em níveis locais, e que, pelos próximos quinze anos, os diversos níveis de poder político estejam concentrados a contribuir para que os próximos objetivos não sejam mais uma vez apenas horizontes, mas pontos de chegada.



Comentar notícia Pós-2015  ODS    s  s  s  Cooperação internacional  Objetivos Desenvolvimento do Milênio  Economia global  Paraísos fiscais  Desigualdade  Leading Group  Paraísos Fiscais  TTFs  

A campanha pelas TTF demanda uma taxa sobre as transações financeiras internacionais – mercados de câmbio, ações e derivativos. Com alíquotas menores que 1%, elas incidirão sobre um volume astronômico de recursos pois esses mercados giram trilhões de dólares por dia.

http://www.outraspalavras.net