TTF Brasil - Notícias

Notícias de parceiros

  • Instituto Justiça Fiscal

    A Injustiça Fiscal da Política de Austeridade

    Austeridade é política de corte para satisfazer o mercado financeiro. Entrevista com economista Marcelo Milan. [Leia Mais]

  • Outras Palavras

    Dowbor: como as corporações cercam a democracia

    Como os chacais desafiam o funcionamento das instituições políticas e jurídica em busca de ganhos fartos. [Leia Mais]

  • Instituto Justiça Fiscal

    Despesas da Copa do Mundo

    Ministério Público do Rio Grande do Sul requer que Fifa e Internacional devolvam dinheiro gasto com estruturas temporárias da Cop [Leia Mais]

  • Outras Palavras

    Democracia e Capitalismo, divórcio definitivo

    Num livro que diz muito ao Brasil, Wolfgang Streeck expõe mecanismos que permitiram à aristocracia financeira controlar Estado e m&iacut [Leia Mais]

Arquivos de Notícia

Últimas notícias

  • 19.08.2016 - Gestos promove tuitaço por democracia econômica e em defesa do SUS [Leia Mais]

  • 04.08.2016 - Devo não nego, pago quando puder [Leia Mais]

  • 15.07.2016 - Gestos encaminha pedido de audiência pública para debater TTF no Congresso Nacional [Leia Mais]

  • 05.07.2016 - Projeto Robin Hood quer reduzir desigualdades [Leia Mais]

  • 04.07.2016 - A crise do capitalismo financeiro vai ao cinema [Leia Mais]

  • 22.06.2016 - Mastigando o Economês: Meta Fiscal e Dívida Pública [Leia Mais]

  • 06.06.2016 - Educação Política e Econômica, eis a nossa proposta! [Leia Mais]

  • 16.05.2016 - A Consistência dos Inconsistentes [Leia Mais]

  • 13.05.2016 - Os Panama Papers e a necessidade de monitorar o fluxo de capitais [Leia Mais]

  • 11.05.2016 - Os efeitos positivos dos tributos sobre transações financeiras (TTF) no Brasil [Leia Mais]

  • 03.05.2016 - IOF para compra de moeda estrangeira sobe de 0,38% para 1,10% [Leia Mais]

  • 02.05.2016 - Novo Marco Regulatório das ONGs assinado pela Presidenta Dilma é debatido no Recife [Leia Mais]

  • 20.04.2016 - TIRADENTES, PIONEIRO NA LUTA CONTRA OS IMPOSTOS [Leia Mais]

  • 14.04.2016 - Artigo - IOF: o que é e o que pode ser? [Leia Mais]

  • 29.03.2016 - Combater a sonegação também é fazer justiça fiscal [Leia Mais]

  • 28.03.2016 - Democracia e Direitos para uma Política Madura [Leia Mais]

  • 11.03.2016 - JUSTIÇA FISCAL E O LUCRO DOS BANCOS [Leia Mais]

  • 01.03.2016 - Com animação fica mais fácil de entender [Leia Mais]

  • 24.07.2015 - Terceira Conferência do Financiamento para o Desenvolvimento Desaponta e perde Ambição [Leia Mais]

Para livrar a Europa da ditadura financeira

Mercado financeiro precisa assumir sua parte: taxação das transações financeiras é uma das medidas necessárias para superação da crise e democratização da economia, afirmam ativistas

Desde 2007, uma crise abala a economia mundial, tendo a União Europeia no centro. As políticas econômicas adotadas pela UE, ao invés de criar os meios de superar as dificuldades, vêm apenas agravando a crise social, econômica e ecológica, colocando a democracia em perigo. Para deter o poder que subordina os interesses e necessidades populares aos interesses dos mercados financeiros, a rede europeia Attac fala da importância de mudar as regras do sistema econômico e institucional, e propõe um conjunto de políticas progressistas, entre as quais um imposto sobre todas as transações financeiras a uma taxa de pelo menos 0,1%. São elas:

1. Manter as finanças públicas longe dos mercados financeiros: possibilitar o financiamento público democrático, por meio de um banco central democraticamente controlado que empreste recursos diretamente aos governos.

2. Escapar da armadilha da dívida: pelo fim das políticas de austeridade e instalação de auditoria das dívidas que leve ao seu cancelamento. Bancos e agentes financeiros privados precisam assumir sua parte nas perdas.

3. Dar às finanças estatais uma base sustentável: aumentar a taxação da riqueza e dos lucros corporativos e harmonizar a tributação em todos os níveis para erradicar a guerra fiscal. Acabar com a evasão fiscal e implementar o “embargo financeiro” dos paraísos fiscais.

4. Desarmar os mercados financeiros e colocar o setor bancário sob controle público: proibir mecanismos especulativos prejudiciais (por exemplo, negociação de alta frequência e especulação com derivativos) e impor um imposto sobre todas as transações financeiras a uma taxa de pelo menos 0,1%; regular estritamente os bancos (por exemplo, separar bancos comerciais de bancos de investimento, desmantelar os bancos "grandes-demais-para-falir").

5. Possibilitar o financiamento público e democrático da economia: criar um setor bancário público e cooperativo, sob controle democrático, para garantir o financiamento das necessidades sociais e econômicas, garantir direitos sociais e financiar a transição ecológica. Políticas comerciais devem ser revistas para aderir a esses objetivos, em cooperação com os países em desenvolvimento.

6. Uma Europa para o povo, e não para os lucros: promover políticas sociais e econômicas em nível europeu, e reafirmar e expandir os serviços públicos controlados democraticamente, reduzir desequilíbrios, promover a transição ecológica das economias, promover empregos de alta qualidade, promover igualdade de gênero e expandir direitos sociais e econômicos básicos (saúde, educação, habitação, informação, cultura, previdência etc) e assegurar que sejam fornecidos por uma rede de serviços 100% públicos.

7. Democracia verdadeira agora: engajamento em um processo constituinte que vise democratizar a tomada de decisões em todos os níveis; elaborar democraticamente um novo acordo, ratificado por referendo em todos os países, e apoiar e promover um debate público, transparente e responsável sobre visões para a Europa e sobre políticas alternativas para a UE.



Comentar notícia Economia global  Paraísos fiscais  Europa  Crise  Sistema Financeiro  Bancos  TTFs  

A campanha pelas TTF demanda uma taxa sobre as transações financeiras internacionais – mercados de câmbio, ações e derivativos. Com alíquotas menores que 1%, elas incidirão sobre um volume astronômico de recursos pois esses mercados giram trilhões de dólares por dia.

http://www.outraspalavras.net