TTF Brasil - Notícias

Notícias de parceiros

  • Instituto Justiça Fiscal

    A Injustiça Fiscal da Política de Austeridade

    Austeridade é política de corte para satisfazer o mercado financeiro. Entrevista com economista Marcelo Milan. [Leia Mais]

  • Outras Palavras

    Dowbor: como as corporações cercam a democracia

    Como os chacais desafiam o funcionamento das instituições políticas e jurídica em busca de ganhos fartos. [Leia Mais]

  • Instituto Justiça Fiscal

    Despesas da Copa do Mundo

    Ministério Público do Rio Grande do Sul requer que Fifa e Internacional devolvam dinheiro gasto com estruturas temporárias da Cop [Leia Mais]

  • Outras Palavras

    Democracia e Capitalismo, divórcio definitivo

    Num livro que diz muito ao Brasil, Wolfgang Streeck expõe mecanismos que permitiram à aristocracia financeira controlar Estado e m&iacut [Leia Mais]

Arquivos de Notícia

Últimas notícias

  • 19.08.2016 - Gestos promove tuitaço por democracia econômica e em defesa do SUS [Leia Mais]

  • 04.08.2016 - Devo não nego, pago quando puder [Leia Mais]

  • 15.07.2016 - Gestos encaminha pedido de audiência pública para debater TTF no Congresso Nacional [Leia Mais]

  • 05.07.2016 - Projeto Robin Hood quer reduzir desigualdades [Leia Mais]

  • 04.07.2016 - A crise do capitalismo financeiro vai ao cinema [Leia Mais]

  • 22.06.2016 - Mastigando o Economês: Meta Fiscal e Dívida Pública [Leia Mais]

  • 06.06.2016 - Educação Política e Econômica, eis a nossa proposta! [Leia Mais]

  • 16.05.2016 - A Consistência dos Inconsistentes [Leia Mais]

  • 13.05.2016 - Os Panama Papers e a necessidade de monitorar o fluxo de capitais [Leia Mais]

  • 11.05.2016 - Os efeitos positivos dos tributos sobre transações financeiras (TTF) no Brasil [Leia Mais]

  • 03.05.2016 - IOF para compra de moeda estrangeira sobe de 0,38% para 1,10% [Leia Mais]

  • 02.05.2016 - Novo Marco Regulatório das ONGs assinado pela Presidenta Dilma é debatido no Recife [Leia Mais]

  • 20.04.2016 - TIRADENTES, PIONEIRO NA LUTA CONTRA OS IMPOSTOS [Leia Mais]

  • 14.04.2016 - Artigo - IOF: o que é e o que pode ser? [Leia Mais]

  • 29.03.2016 - Combater a sonegação também é fazer justiça fiscal [Leia Mais]

  • 28.03.2016 - Democracia e Direitos para uma Política Madura [Leia Mais]

  • 11.03.2016 - JUSTIÇA FISCAL E O LUCRO DOS BANCOS [Leia Mais]

  • 01.03.2016 - Com animação fica mais fácil de entender [Leia Mais]

  • 24.07.2015 - Terceira Conferência do Financiamento para o Desenvolvimento Desaponta e perde Ambição [Leia Mais]

Brasil rumo a metas sociais da ONU

Com Bolsa Família, redução das desigualdades foi de 70% nos últimos 11 anos, diz Ipea. ONU estabeleceu redução de 50% das desigualdades em 25 anos. Por Hylda Cavalcanti, na Rede Brasil Atual

Avaliação apresentada hoje (15/10) sobre o Bolsa Família mostrou, em números reais, que a aplicação do programa entre famílias em condições extremas de pobreza levou o Brasil a conseguir, em pouco mais de uma década, superar as metas que tinham sido estabelecidas pela Organização das Nações Unidas (ONU) para o país – que previam a redução de desigualdades em 50% de 2000 até 2025. 

A principal constatação do trabalho, elaborado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) com o apoio do Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome, é de que, em 11 anos, os 10% mais pobres do país tiveram acréscimo em suas rendas de 120,22%, enquanto os rendimentos dos mais ricos cresceram 26,41%. 

Ou seja, embora os ricos brasileiros ainda sejam muito ricos, em função dos benefícios do Bolsa Família e seu impacto na casa dos brasileiros a renda dos mais pobres foi ampliada cinco vezes mais que a dos mais abonados, nos últimos 11 anos. Além disso, de 2001 até 2012 a pobreza no Brasil teve uma queda de 70% de um modo geral, quando a meta da ONU era de que esse percentual de redução de desigualdade fosse de 50% em 25 anos. “Conseguimos atingir e superar a meta da ONU em menos da metade do tempo previsto”, afirmou o presidente do Ipea, o economista Marcelo Neri, que vê o programa como principal responsável pelo resultado.

O trabalho tem três pilares de destaques, observados pelo programa desde a sua criação: a transferência de renda, propriamente, que inclusive contribuiu para aumento do consumo e movimentação da economia, acesso da população de baixa renda a serviços públicos e inclusão produtiva dessas famílias. “Trata-se de uma abordagem que está ligada a canais diversos de combate a pobreza”, enfatizou Nery.

“O principal elemento do Bolsa Família tem sido o combate frontal à desigualdade, a capacidade de chegar aos mais pobres dos pobres. O Brasil, que antes era chamado do país das desigualdades, a Belíndia da América Latina, teve no Bolsa Família sua primeira vitória efetiva”, completou o diretor do Ipea.

Conforme ainda o estudo divulgado hoje, o crescimento da renda dos mais pobres pelo Bolsa Família levou também à prosperidade desses brasileiros e, numa avaliação mais subjetiva, à mudança de percepção dessas pessoas sobre sua própria condição de vida e felicidade. O programa, quando avaliado do ponto de vista macroeconômico, apresenta ainda uma outra característica bem dimensionada e destacada por entidades internacionais: o caráter da sustentabilidade, que corresponde à tendência de levar as famílias assistidas a padrões de vida duradouros, conquistados a partir dos benefícios implementados e, posteriormente, ampliados com outras práticas de ampliação do trabalho e renda – o que foi chamado pelos responsáveis pelo estudo como “estoques de recursos”.

A pesquisa completa, que mostra indicadores e comparativos do desenvolvimento do programa e seus impactos, será divulgada num livro, cujo lançamento está previsto para o próximo dia 30 de outubro, durante solenidade de comemoração dos 30 anos do programa. Os resultados principais – que, inclusive, nortearam o aprofundamento da avaliação nos mais diversos aspectos sociais e econômicos do país – estão sendo divulgados agora pelos técnicos do Ipea.



Comentar notícia Objetivos Desenvolvimento do Milênio  Desigualdade  Economia  ONU  

A campanha pelas TTF demanda uma taxa sobre as transações financeiras internacionais – mercados de câmbio, ações e derivativos. Com alíquotas menores que 1%, elas incidirão sobre um volume astronômico de recursos pois esses mercados giram trilhões de dólares por dia.

http://www.outraspalavras.net