TTF Brasil - Notícias

Notícias de parceiros

  • Instituto Justiça Fiscal

    A Injustiça Fiscal da Política de Austeridade

    Austeridade é política de corte para satisfazer o mercado financeiro. Entrevista com economista Marcelo Milan. [Leia Mais]

  • Outras Palavras

    Dowbor: como as corporações cercam a democracia

    Como os chacais desafiam o funcionamento das instituições políticas e jurídica em busca de ganhos fartos. [Leia Mais]

  • Instituto Justiça Fiscal

    Despesas da Copa do Mundo

    Ministério Público do Rio Grande do Sul requer que Fifa e Internacional devolvam dinheiro gasto com estruturas temporárias da Cop [Leia Mais]

  • Outras Palavras

    Democracia e Capitalismo, divórcio definitivo

    Num livro que diz muito ao Brasil, Wolfgang Streeck expõe mecanismos que permitiram à aristocracia financeira controlar Estado e m&iacut [Leia Mais]

Arquivos de Notícia

Últimas notícias

  • 19.08.2016 - Gestos promove tuitaço por democracia econômica e em defesa do SUS [Leia Mais]

  • 04.08.2016 - Devo não nego, pago quando puder [Leia Mais]

  • 15.07.2016 - Gestos encaminha pedido de audiência pública para debater TTF no Congresso Nacional [Leia Mais]

  • 05.07.2016 - Projeto Robin Hood quer reduzir desigualdades [Leia Mais]

  • 04.07.2016 - A crise do capitalismo financeiro vai ao cinema [Leia Mais]

  • 22.06.2016 - Mastigando o Economês: Meta Fiscal e Dívida Pública [Leia Mais]

  • 06.06.2016 - Educação Política e Econômica, eis a nossa proposta! [Leia Mais]

  • 16.05.2016 - A Consistência dos Inconsistentes [Leia Mais]

  • 13.05.2016 - Os Panama Papers e a necessidade de monitorar o fluxo de capitais [Leia Mais]

  • 11.05.2016 - Os efeitos positivos dos tributos sobre transações financeiras (TTF) no Brasil [Leia Mais]

  • 03.05.2016 - IOF para compra de moeda estrangeira sobe de 0,38% para 1,10% [Leia Mais]

  • 02.05.2016 - Novo Marco Regulatório das ONGs assinado pela Presidenta Dilma é debatido no Recife [Leia Mais]

  • 20.04.2016 - TIRADENTES, PIONEIRO NA LUTA CONTRA OS IMPOSTOS [Leia Mais]

  • 14.04.2016 - Artigo - IOF: o que é e o que pode ser? [Leia Mais]

  • 29.03.2016 - Combater a sonegação também é fazer justiça fiscal [Leia Mais]

  • 28.03.2016 - Democracia e Direitos para uma Política Madura [Leia Mais]

  • 11.03.2016 - JUSTIÇA FISCAL E O LUCRO DOS BANCOS [Leia Mais]

  • 01.03.2016 - Com animação fica mais fácil de entender [Leia Mais]

  • 24.07.2015 - Terceira Conferência do Financiamento para o Desenvolvimento Desaponta e perde Ambição [Leia Mais]

IJF inicia campanha por Reforma Tributária

Proposta tem como objetivo combater desigualdade e será apresentada aos candidatos à presidência, como relata Marcelo Lettieri, diretor do Instituto Justiça Fiscal, em entrevista a Inês Castilho

O Instituto Justiça Fiscal (IJF) está lançando uma Campanha pela Reforma do Sistema Tributário brasileiro, com o objetivo principal de reduzir as desigualdades de renda. A Campanha vai estimular o debate sobre o sistema fiscal e articular propostas que possam construir um Estado mais justo, com condições de prover vida digna a todos. A proposta será apresentada a todos os candidatos à presidência da República.

Nela, a tributação é vista como fator de estímulo ao desenvolvimento econômico e social. Não se discutirá o tamanho da carga tributária, mas a sua distribuição entre as classes sociais.

O IJF foi fundado em 2011 por representantes de movimentos sociais e políticos de vários estados, principalmente do Rio Grande do Sul. São professores, pesquisadores e funcionários públicos dos fiscos federal, estaduais e municipais e da Justiça, entre outros. Nesta entrevista, o diretor técnico do Instituto, Marcelo Lettieri, doutor em Economia e auditor-fiscal da Receita Federal, fala sobre a iniciativa.

Como surge a campanha, e como será encaminhada?
Nos primeiros meses de 2014 fizemos várias discussões com filiados e apoiadores do IJF, das quais recolhemos um conjunto de propostas. Submetemos essas propostas à apreciação e debate de nossos associados e apoiadores no seminário "Tributação e Justiça Fiscal", realizado em Porto Alegre em 28 e 29 de abril.

A partir dessas discussões, estabelecemos nossos objetivos: "Elaboração de propostas legislativas e realização de campanha popular com vistas a encaminhar aos atores políticos da nova legislatura federal medidas que visem ao aperfeiçoamento do sistema tributário nacional, de modo a torná-lo mais justo".

A próxima e mais importante etapa é a de lançamento oficial da campanha, previsto para 21 de agosto em Belo Horizonte, quando reuniremos as propostas selecionadas nos debates e as apresentaremos à sociedade e aos candidatos à Presidência da República.

Quais as bases dessa proposta de Reforma Tributária?
Partimos das seguintes premissas:
>Propostas Viáveis: as propostas devem levar em conta a conjuntura política, social e econômica no Brasil e no mundo. Não trataremos de questões econômica ou politicamente inviáveis, como por exemplo a redução da carga tributária ou alíquotas superiores a 50%.
>Redução das Desigualdades: o elemento central das propostas a serem apresentadas têm o objetivo de reduzir as desigualdades de renda.
>Reestruturação da Carga Tributária: não se discutirá o tamanho da carga tributária, mas a sua distribuição entre as classes sociais.
>Promoção do Desenvolvimento: a tributação como fator de indução e de estímulo ao desenvolvimento econômico e social.

Seria possível adiantar alguns pontos?
Temos um conjunto de propostas em estudo, mas já selecionamos algumas que certamente serão incluídas, tais como:
1. Na tributação sobre renda e riqueza
>Isonomia das Rendas do capital e do trabalho: Isonomia de tratamento das rendas independente da origem, levando todas as rendas para a mesma tabela progressiva.
Hoje, os rendimentos do trabalho são tributados na tabela progressiva, enquanto a renda do capital (lucros, juros, dividendos etc.) são isentos ou tributados exclusivamente na fonte com alíquotas reduzidas.
>Instituir o Imposto sobre as Grandes Fortunas.
>Reestruturação do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF): aumentar o número de faixas de alíquotas para o IRPF, com a criação, por exemplo, das alíquotas marginais de 30% e 35% para rendas mais elevadas.
Hoje temos quatro alíquotas (7,5%, 15%, 22,5% e 27,5%), sendo que a alíquota de 27,5% é para rendas anuais superiores a R$ 53.565,72.
>Eliminação do Lucro Presumido (LP): Eliminar a tributação sobre o LP e ampliar os limites do Simples Nacional.
Hoje, temos três formas de apuração do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ), além do Simples: Lucro Real, Lucro Presumido e Lucro Arbitrado. O Lucro Presumido é uma forma simplificada de tributação que favorece, principalmente, pessoas físicas que se constituem como pessoas jurídicas para pagarem menos tributo sobre a renda e fugirem da contribuição para a Previdência. Nossa proposta é eliminar essa forma de tributação, e ampliar os limites do Simples para não prejudicar as médias empresas.
>Fim da tributação exclusiva na fonte: toda a tributação na fonte passa a ser antecipação de IR, e deve ser calculada na declaração de ajuste pela tabela progressiva única.
>Benefícios fiscais: Condicionar a concessão de benefícios fiscais à limitação na distribuição de lucros e dividendos. 
Isso significa, basicamente, impedir que empresas que tenham recebido incentivos fiscais distribuam lucros decorrentes desses incentivos a seus acionistas, principalmente ao exterior. Por exemplo, as montadoras receberam R$ 4 bilhões em incentivos fiscais na crise de 2008/2009 e enviaram ao exterior um montante de lucros equivalente a esse valor. A ideia é reduzir a distribuição de lucro no montante dos benefícios recebidos.
>Juros sobre Capital Próprio: eliminar a dedução dos juros sobre o capital próprio na tributação da renda das pessoas jurídicas.
A inovação, criada em dezembro de 1995, possibilita às empresas distribuir juros aos seus sócios e acionistas, deduzindo-os da base de cálculo do IRPJ e reduzindo, com isso, os tributos a serem pagos. Assim, independentemente da ocorrência da operação de empréstimo do sócio para a empresa, esta paga os juros aos sócios e acionistas, tributando-os em apenas 15% (IRPJ), quando deveria pagar 34%, caso não houvesse o “incentivo” (IRPJ, adicional e CSLL).
Isso beneficia sobremaneira as grandes empresas capitalizadas e lucrativas, sobretudo os bancos, que fizeram sua festa particular após o Plano Real e até hoje se aproveitam dos embalos do capital financeiro. A justificativa para criação desse benefício fiscal elencava o fato de a legislação anterior favorecer o endividamento externo da empresa e, para reverter esse quadro, seria necessário incentivar o seu financiamento pelos próprios sócios.
Ninguém até hoje apresentou qualquer comprovação dessa tese, mas a benesse permanece impávida.

2. Na tributação sobre o consumo:
>Eliminar toda a tributação sobre o consumo (ICMS, PIS e COFINS) de bens da cesta básica.
>Reduzir a tributação incidente sobre insumos básicos (energia, água e saneamento, telecomunicações, combustíveis, alimentos etc.).
>Reestruturar o IPI (simplificação, novas alíquotas etc.).
>Aumentar a tributação sobre consumo de bens supérfluos e de luxo.
>Criação de CIDE ambiental para produtos classificados como danosos ao meio ambiente.

3.Outros pontos específicos:
>Progressividade dos tributos patrimoniais: Implementar a progressividade nos tributos patrimoniais: IPTU, ITR, ITCD, IPVA e ITBI.
>Setor Extrativista/Exportador: criação de contribuição social para a seguridade social, especialmente para a Previdência; eliminar benefícios fiscais concedidos ao setor extrativista/exportador e implementar o Imposto de Exportação para commodities que tenham grande demanda internacional.
>Movimentação Financeira: pensar um tributo sobre movimentação financeira, que tenha destinação específica, mas com a possibilidade de repartição entre os entes políticos.
Ainda estamos analisando um conjunto de propostas para o ICMS.

Quais entidades a apoiam, e como será divulgada?
Estamos articulando com os diversos movimentos sociais (sindicatos, centrais sindicais, movimentos dos trabalhadores urbanos e rurais, associações etc.) todo tipo de apoio que puderem dar à campanha, principalmente quanto à divulgação e ao encaminhamento das propostas aos candidatos à Presidência. Algumas Delegacias Sindicais do Sindifisco Nacional e alguns Sindicatos dos Fiscos já manifestaram apoio à iniciativa.

A partir do seu lançamento, as propostas serão encaminhadas à nossa rede de relacionamentos, divulgadas na internet e demais meios de comunicação e distribuídas à sociedade por meio de uma cartilha simplificada.

Quais as perspectivas políticas da campanha neste ano eleitoral?
Acreditamos que o momento é bastante oportuno, mas sabemos que o atual modelo político brasileiro não favorece a discussão desse tema. Entendemos que é possível avançar e o momento eleitoral ajuda, ao menos, a colocarmos o tema em pauta e iniciarmos o debate com a sociedade. Estamos cientes, contudo, de que avanços significativos só serão possíveis após uma Reforma Política.



Comentar notícia Reforma Tributária  Sistema tributário  Justiça fiscal  Desigualdade  

A campanha pelas TTF demanda uma taxa sobre as transações financeiras internacionais – mercados de câmbio, ações e derivativos. Com alíquotas menores que 1%, elas incidirão sobre um volume astronômico de recursos pois esses mercados giram trilhões de dólares por dia.

http://www.outraspalavras.net