TTF Brasil - Notícias

Notícias de parceiros

  • Instituto Justiça Fiscal

    Para 79% da população, o Estado tem o dever de reduzir as desigualdades

    Pesquisa da Oxfam Brasil [Leia Mais]

  • Instituto Justiça Fiscal

    A Injustiça Fiscal da Política de Austeridade

    Austeridade é política de corte para satisfazer o mercado financeiro. Entrevista com economista Marcelo Milan. [Leia Mais]

  • Outras Palavras

    Dowbor: como as corporações cercam a democracia

    Como os chacais desafiam o funcionamento das instituições políticas e jurídica em busca de ganhos fartos. [Leia Mais]

  • Instituto Justiça Fiscal

    Despesas da Copa do Mundo

    Ministério Público do Rio Grande do Sul requer que Fifa e Internacional devolvam dinheiro gasto com estruturas temporárias da Cop [Leia Mais]

Arquivos de Notícia

Últimas notícias

  • 19.08.2016 - Gestos promove tuitaço por democracia econômica e em defesa do SUS [Leia Mais]

  • 04.08.2016 - Devo não nego, pago quando puder [Leia Mais]

  • 15.07.2016 - Gestos encaminha pedido de audiência pública para debater TTF no Congresso Nacional [Leia Mais]

  • 05.07.2016 - Projeto Robin Hood quer reduzir desigualdades [Leia Mais]

  • 04.07.2016 - A crise do capitalismo financeiro vai ao cinema [Leia Mais]

  • 22.06.2016 - Mastigando o Economês: Meta Fiscal e Dívida Pública [Leia Mais]

  • 06.06.2016 - Educação Política e Econômica, eis a nossa proposta! [Leia Mais]

  • 16.05.2016 - A Consistência dos Inconsistentes [Leia Mais]

  • 13.05.2016 - Os Panama Papers e a necessidade de monitorar o fluxo de capitais [Leia Mais]

  • 11.05.2016 - Os efeitos positivos dos tributos sobre transações financeiras (TTF) no Brasil [Leia Mais]

  • 03.05.2016 - IOF para compra de moeda estrangeira sobe de 0,38% para 1,10% [Leia Mais]

  • 02.05.2016 - Novo Marco Regulatório das ONGs assinado pela Presidenta Dilma é debatido no Recife [Leia Mais]

  • 20.04.2016 - TIRADENTES, PIONEIRO NA LUTA CONTRA OS IMPOSTOS [Leia Mais]

  • 14.04.2016 - Artigo - IOF: o que é e o que pode ser? [Leia Mais]

  • 29.03.2016 - Combater a sonegação também é fazer justiça fiscal [Leia Mais]

  • 28.03.2016 - Democracia e Direitos para uma Política Madura [Leia Mais]

  • 11.03.2016 - JUSTIÇA FISCAL E O LUCRO DOS BANCOS [Leia Mais]

  • 01.03.2016 - Com animação fica mais fácil de entender [Leia Mais]

  • 24.07.2015 - Terceira Conferência do Financiamento para o Desenvolvimento Desaponta e perde Ambição [Leia Mais]

Instituto Justiça Fiscal debate sistema tributário

Menos imposto sobre o consumo, que pesa igualmente sobre ricos e pobres, e maior taxação da renda e patrimônio, é um dos caminhos apontados

Os principais entraves políticos e estruturais para a construção de um sistema tributário mais justo foram debatidos pelo Instituto Justiça Fiscal (IJF) semana passada (29.04), no Plenarinho da Assembleia Legislativa de Porto Alegre.

A tributação sobre o consumo é muito elevada, observou o palestrante Raul Pont, deputado estadual pelo RS, ao fazer um breve apanhado dos principais tributos incidentes sobre patrimônio, consumo e renda no país. Pont informou que as receitas decorrentes dos tributos sobre patrimônio correspondem a menos de 4% do total arrecadado, e referem-se principalmente a IPTU e IPVA. Há uma grande resistência para avançar na progressividade do IPTU, que levaria os detentores de propriedades valiosas a pagar mais, afirmou o ex-prefeito de Porto Alegre (1997-2001). Também o Imposto Territorial Rural (ITR) é extremamente baixo. Tudo isso faz com que a arrecadação recaia ainda mais sobre o consumo, que tributa igualmente pobres e ricos.

É indispensável fazer uma revisão do pacto federativo, sustentou o palestrante Germano Rigotto, ex-governador do RS (2003-2007). “Não é possível ter vinte e sete legislações de ICMS no país”, afirmou. Para ele, é necessário que nos preocupemos também com o clientelismo, a corrupção e a disputa por verbas no orçamento e nas emendas parlamentares, tendo em vista a centralização dos recursos na União. E ainda que, ao falar de reforma tributária, falemos em reforma fiscal, pois a política das altas taxas de juros compromete o desempenho do país.

Já a ex-deputada Luciana Genro referiu-se à questão primordial de quem financia o Estado brasileiro. Segundo dados da Auditoria Cidadã da Dívida, 52% dos recursos são oriundos do trabalho e do consumo, enquanto a parcela que vem do patrimônio é de apenas 4%, e de 15% a que vem do capital financeiro. Ou seja, há uma extrema iniquidade na distribuição do ônus público. Ademais, é preciso saber para onde vai o dinheiro arrecadado. E aí se insere o problema da divida pública, que é mais uma forma de os bancos – que pagam os menores impostos no Brasil – se apropriarem dos recursos públicos.

Um conjunto de regras tributárias beneficiam o capital em detrimento do cidadão – lembrou a ex-deputada. Como, por exemplo, a dedução de juros sobre capital próprio: uma espécie de ficção, na qual quem tem capital para financiar o seu investimento faz uma projeção dos juros que pagaria se tomasse um empréstimo, e, sobre os juros que pagaria, não paga imposto. Outro aspecto é a isenção tributária sobre as exportações, que trouxe prejuízos gigantescos ao Rio Grande do Sul. Indo mais além, temos a não cobrança de IPVA sobre helicópteros, jatinhos e lanchas e a não regulamentação do Imposto sobre Grandes Fortunas (IGF), previsto na Constituição de 1988.

“O desafio subjacente aos movimentos ocorridos em junho passado é o de poder oferecer aos manifestantes e à sociedade novas alternativas, que estejam mais dispostas a avançar para além dos limites que o capital nos impõe”, afirmou Luciana.

Nosso modelo tributário não está de acordo com a Constituição, e não seriam necessárias muitas alterações para construir uma sociedade mais humana, justa e igualitária – afirmou o palestrante Marciano Buffon, professor de direito da Unisinos.

Buffon apresentou seis ideias para mudar o sistema tributário: a exoneração tributária do mínimo existencial (imunidade frente a impostos, taxas ou contribuições), seja pela desoneração da contribuição previdenciária para quem ganha salário mínimo, seja pela exoneração dos produtos da cesta básica; inversão do peso da tributação sobre consumo, patrimônio e renda; fim da exoneração dos tributos sobre exportação de recursos naturais; tributação da renda advinda de transações comerciais efetuadas pelas igrejas que nada tenham a ver com a liberdade de culto; enfrentar o problema da substituição tributária; e efetivar a aceitação social do tributo, tendo em vista que muitas vezes o discurso (ser a favor dos tributos) contraria as ações (não pagamento, sonegação, evasão de impostos).



Comentar notícia s  Reforma Tributária  Justiça fiscal  Bancos  

A campanha pelas TTF demanda uma taxa sobre as transações financeiras internacionais – mercados de câmbio, ações e derivativos. Com alíquotas menores que 1%, elas incidirão sobre um volume astronômico de recursos pois esses mercados giram trilhões de dólares por dia.

http://www.outraspalavras.net