TTF Brasil - Notícias

Notícias de parceiros

  • Instituto Justiça Fiscal

    A Injustiça Fiscal da Política de Austeridade

    Austeridade é política de corte para satisfazer o mercado financeiro. Entrevista com economista Marcelo Milan. [Leia Mais]

  • Outras Palavras

    Dowbor: como as corporações cercam a democracia

    Como os chacais desafiam o funcionamento das instituições políticas e jurídica em busca de ganhos fartos. [Leia Mais]

  • Instituto Justiça Fiscal

    Despesas da Copa do Mundo

    Ministério Público do Rio Grande do Sul requer que Fifa e Internacional devolvam dinheiro gasto com estruturas temporárias da Cop [Leia Mais]

  • Outras Palavras

    Democracia e Capitalismo, divórcio definitivo

    Num livro que diz muito ao Brasil, Wolfgang Streeck expõe mecanismos que permitiram à aristocracia financeira controlar Estado e m&iacut [Leia Mais]

Arquivos de Notícia

Últimas notícias

  • 19.08.2016 - Gestos promove tuitaço por democracia econômica e em defesa do SUS [Leia Mais]

  • 04.08.2016 - Devo não nego, pago quando puder [Leia Mais]

  • 15.07.2016 - Gestos encaminha pedido de audiência pública para debater TTF no Congresso Nacional [Leia Mais]

  • 05.07.2016 - Projeto Robin Hood quer reduzir desigualdades [Leia Mais]

  • 04.07.2016 - A crise do capitalismo financeiro vai ao cinema [Leia Mais]

  • 22.06.2016 - Mastigando o Economês: Meta Fiscal e Dívida Pública [Leia Mais]

  • 06.06.2016 - Educação Política e Econômica, eis a nossa proposta! [Leia Mais]

  • 16.05.2016 - A Consistência dos Inconsistentes [Leia Mais]

  • 13.05.2016 - Os Panama Papers e a necessidade de monitorar o fluxo de capitais [Leia Mais]

  • 11.05.2016 - Os efeitos positivos dos tributos sobre transações financeiras (TTF) no Brasil [Leia Mais]

  • 03.05.2016 - IOF para compra de moeda estrangeira sobe de 0,38% para 1,10% [Leia Mais]

  • 02.05.2016 - Novo Marco Regulatório das ONGs assinado pela Presidenta Dilma é debatido no Recife [Leia Mais]

  • 20.04.2016 - TIRADENTES, PIONEIRO NA LUTA CONTRA OS IMPOSTOS [Leia Mais]

  • 14.04.2016 - Artigo - IOF: o que é e o que pode ser? [Leia Mais]

  • 29.03.2016 - Combater a sonegação também é fazer justiça fiscal [Leia Mais]

  • 28.03.2016 - Democracia e Direitos para uma Política Madura [Leia Mais]

  • 11.03.2016 - JUSTIÇA FISCAL E O LUCRO DOS BANCOS [Leia Mais]

  • 01.03.2016 - Com animação fica mais fácil de entender [Leia Mais]

  • 24.07.2015 - Terceira Conferência do Financiamento para o Desenvolvimento Desaponta e perde Ambição [Leia Mais]

A Consistência dos Inconsistentes

Há uma grande diferença entre intenções e ações que as contradizem na economia política da globalização.

Negociação do documento do primeiro Fórum de seguimento da Conferência de Financiamento para o Desenvolvimento. As sessões foram reduzidas a dois grupos majoritários – G77 e estados-membro da OCDE –, à Rússia e ao México. (Foto: CGF)
......

De 18 a 20 de abril, na sede da ONU em Nova York, sob os auspícios do Conselho Econômico e Social – ECOSOC – dessa organização de governança multilateral, aconteceu o primeiro fórum de seguimento da Agenda de Ação de Adis Abeba, adotada em julho de 2015 como resultado da terceira Conferência Internacional do Financiamento para o Desenvolvimento.

As duras negociações para a Agenda de Ação mostraram a estratégia de vitória do bloco hegemônico dos estados-membro desenvolvidos, com o apoio das instituições financeiras internacionais e o clube OCDE, como reportado e analisado na publicação A Abong e a Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável: Partcipação Social para Transformar o Mundo (2016), a ser lançada em breve.

Sob a liderança dos Estados Unidos e União Europeia, as propostas de mudança de paradigmas na arquitetura financeira internacional defendidas pelo G77+China – grupo de 134 países ao qual pertence o Brasil, com diversos conflitos de interesses de blocos regionais como o Grupo Africano ou o Grupo Árabe – foram atropeladas para que se conseguisse consenso. Quanto menos compromisso, maior possibilidade de garantir acordo sobre o documento.

O primeiro Fórum de Seguimento da FfD, uma conquista da sociedade civil organizada e do G77, seguiu o mesmo roteiro interrompido em Adis Abeba. A existência do Fórum coloca o caminho do financiamento para o desenvolvimento de acordo com as modalidades adotadas na ONU para todas suas conferências internacionais, criando um processo de monitoramento das intenções declaradas dos países a fim de erradicar de vez a pobreza e diminuir as desigualdade, enquanto estimula o crescimento econômico atráves da agenda de sustentabilidade. Mas, apesar das palavras que constroem a narrativa do comprometimento, as ações de muitos estados-membro das Nações Unidas contradizem o caminho que deve ser adotado para alcançar um patamar de mudanças nas diretrizes da alocação de recursos, tanto público quanto privado, como meio de implementação de toda a Agenda 2030, cuja promessa, ou utopia, é não deixar ninguém para trás.

A decisão do Conselho Econômico e Social das Nações Unidas – ECOSOC – em realizar o Fórum agora em abril foi repentina e oportuna, diante de um calendário crescente de atividades que devem preceder a realização do primeiro Fórum Político de Alto Nível – HLPF –, em Julho, quando vinte e dois países farão um relatório expontâneo sobre o progresso de implementação nacional da Agenda 2030. Repentina porque foi anunciado com pouco mais de um mês de antecedência. Oportuna pois ocorreu logo após a reunião conjunta de primavera do FMI e Banco Mundial. Contudo, a eficiência do processo de organização do evento que contou com sete mesas de debates e pouco mais de uma dúzia de eventos paralelos com discussão aprofundada sobre diversos temas da arquitetura financeira mundial, sob à luz dos Papéis do Panamá, não encontrou reflexo nas negociações entre os países para a adoção do documento oficial do Fórum inaugural. Uma semana antes do Fórum, os grupos majoritários já negociavam o texto da declaração consensual sob a cofacilitação dos Embaixadores da Croácia e do Benin.

A primeira versão do documento continha dezoito parágrafos que, apesar de esquecerem dos direitos humanos, buscava mover a Agenda de Ação de Adis Abeba para um patamar mais concreto, ancorando-se nas resoluções de Paris (Clima) e Nairobi (última reunião da OMC, sobre agricultura, algodão e questões relativas aos países menos desenvolvidos – LDC). Também reafirmava solenemente a Ajuda Oficial para o o Desenvolvimento – ODA – e congratulava o estabelecimento da Força Tarefa Inter-Agência, pelo Secretário Geral, como organismo de monitoramento das intercessões entre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e a Agenda de Ação de Adis Abeba, correspondendo os parágrafos que devem funcionar como meio de implementação do ponto de vista do financiamento para o desenvolvimento.

Após uma primeira sessão informal de debates e modificações de linguagem, os cofacilitadores apresentaram uma segunda versão um pouco mais ampliada. Ainda não continha qualquer menção sobre direitos humanos e outros temas fortes para a sociedade civil, mas chamava atenção para o problema dos fluxos ilícitos de capital e da necessidade de aumento de ajuda oficial para o desenvolvimento. Durante a segunda sessão informal de debates, vários países desenvolvidos reafirmaram que o documento em discussão não poderia conter qualquer linguagem que não fosse do acordo em Adis, acusando o G77 de tentar trazer pontos já descartados da Agenda. A insistência do negociador da África do Sul chegou a irritar a representante dos Estados Unidos, que se retirou do ambiente, disparando o nível de tensão, porque não podia admitir a menção dos paraísos fiscais e fluxos ilícitos. Esta é uma posição contraditória a diversos parágrafos da Agenda de Adis, que prometia trabalhar para conter os fluxos ilícitos de capital, evasão e elisão fiscal. A própria União Europeia, agora diante de problemas relacionados à crise de imigração árabe e a prolongada estagnação econômica, tornaram-se reticentes em reafirmar compromissos de ajuda oficial sem que fosse dentro do contexto de toda uma embalagem de fomento ao desenvolvimento sustentável, envolvendo cooperação Sul-Sul e triangular, e grande parcela de intervenção da iniciativa privada através de parcerias públicas. Inclusive, as novas regras dos países doadores, aprovadas na OCDE um mês antes, deixou o caminho aberto para uso dos recursos ODA para investimento militar e para ser usado internamente na administração do assentamento migratório na Europa.

O que realmente estava em jogo naquelas intermináveis e cíclicas discussões era a própria viabilidade de um Fórum de seguimento de um acordo que foi muito difícil de ser alcançado, deixando muitas cicatrizes no método de negociação. A conselheira do Japão foi explícita, “estamos aqui negociando um texto para um evento que meu país lutou bravamente contra, no ano passado, pois não víamos propósito em rediscutir o que já havia sido acordado.” Mesmo assim, como afirmou Tove Maria Riding, da Eurodad, na reunião de avaliação da sociedade civil, “o Fórum veio para ficar, pois o mandato está com o Ecosoc e foi aprovado em consenso na Agenda de Ação de Adis Abeba. Eles não poderão emperrar a discussão da realidade indefinidamente, sendo monitorados todos os anos, por quinze anos.”

No dia de abertura do Fórum, o rascunho da declaração a ser negociada por mais três dias tinha se reduzido a doze parágrafos, mas sete desses não conseguiam consenso. A negociação estancou pela intransigência e consistência dos inconsistentes, que consistentemente negam os próprios compromissos com suas ações. Recusar-se a discutir fluxos ilícitos de capital diante do escândalo dos Papéis do Panamá é manter as negociações das Nações Unidas como em uma bolha, alijada dos ventos da realidade concreta das ações cometidas. Em contrapartida o G77 empacou pela palavra “histórico” como sendo um exagero para adjetivar o Acordo de Paris sobre o Clima. Acrescentando que se assim fosse gostaria de trazer de volta o tema de territórios ocupados, já sabendo que este apenas suscitaria desacordo da negociadora americana e do negociador russo.

Tudo se encaminhava para que não houvesse qualquer acordo sobre nenhum ponto polêmico que entrasse no documento. A linguagem deveria ser a mais neutra e congratulatória possível, afinal, só a realização do Fórum já era um marco em si.

O resultado foi uma carta de boas vindas e intenções para um futuro mais próspero para o Fórum, resumido em quatro parágrafos que não completam uma página de texto. A decepção foi grande, mas não havia como ir além dos impasses. Mesmo assim, o desafio do processo é justamente a condução de sua continuidade e sua interface com a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável e o compromisso multilateral para reverter graves problemas sociais e ambientais no planeta. No entanto, para que realmente aconteça, os estados-membro vão ter que abrir mão de suas posições consistentemente inconsistentes e abraçar a diversidade dos compromissos assumidos de forma interdisciplinar. Este será um longo e tortuoso caminho, mas a sociedade civil com certeza estará acompanhando de perto seu desenrolar, contribuindo para que seja implementado de forma transparente, em defesa dos direitos, para o bem das pessoas e do planeta.

......

Claudio Fernandes, economista, segue e monitora a Conferência Internacional de Financiamento para o Desenvolvimento.



Comentar notícia sociedade civil organizada  Pós-2015  ODS  Cooperação internacional  Economia global  Economia  ONU  

A campanha pelas TTF demanda uma taxa sobre as transações financeiras internacionais – mercados de câmbio, ações e derivativos. Com alíquotas menores que 1%, elas incidirão sobre um volume astronômico de recursos pois esses mercados giram trilhões de dólares por dia.

http://www.outraspalavras.net