TTF Brasil - Notícias

Notícias de parceiros

  • Instituto Justiça Fiscal

    A Injustiça Fiscal da Política de Austeridade

    Austeridade é política de corte para satisfazer o mercado financeiro. Entrevista com economista Marcelo Milan. [Leia Mais]

  • Outras Palavras

    Dowbor: como as corporações cercam a democracia

    Como os chacais desafiam o funcionamento das instituições políticas e jurídica em busca de ganhos fartos. [Leia Mais]

  • Instituto Justiça Fiscal

    Despesas da Copa do Mundo

    Ministério Público do Rio Grande do Sul requer que Fifa e Internacional devolvam dinheiro gasto com estruturas temporárias da Cop [Leia Mais]

  • Outras Palavras

    Democracia e Capitalismo, divórcio definitivo

    Num livro que diz muito ao Brasil, Wolfgang Streeck expõe mecanismos que permitiram à aristocracia financeira controlar Estado e m&iacut [Leia Mais]

Arquivos de Notícia

Últimas notícias

  • 19.08.2016 - Gestos promove tuitaço por democracia econômica e em defesa do SUS [Leia Mais]

  • 04.08.2016 - Devo não nego, pago quando puder [Leia Mais]

  • 15.07.2016 - Gestos encaminha pedido de audiência pública para debater TTF no Congresso Nacional [Leia Mais]

  • 05.07.2016 - Projeto Robin Hood quer reduzir desigualdades [Leia Mais]

  • 04.07.2016 - A crise do capitalismo financeiro vai ao cinema [Leia Mais]

  • 22.06.2016 - Mastigando o Economês: Meta Fiscal e Dívida Pública [Leia Mais]

  • 06.06.2016 - Educação Política e Econômica, eis a nossa proposta! [Leia Mais]

  • 16.05.2016 - A Consistência dos Inconsistentes [Leia Mais]

  • 13.05.2016 - Os Panama Papers e a necessidade de monitorar o fluxo de capitais [Leia Mais]

  • 11.05.2016 - Os efeitos positivos dos tributos sobre transações financeiras (TTF) no Brasil [Leia Mais]

  • 03.05.2016 - IOF para compra de moeda estrangeira sobe de 0,38% para 1,10% [Leia Mais]

  • 02.05.2016 - Novo Marco Regulatório das ONGs assinado pela Presidenta Dilma é debatido no Recife [Leia Mais]

  • 20.04.2016 - TIRADENTES, PIONEIRO NA LUTA CONTRA OS IMPOSTOS [Leia Mais]

  • 14.04.2016 - Artigo - IOF: o que é e o que pode ser? [Leia Mais]

  • 29.03.2016 - Combater a sonegação também é fazer justiça fiscal [Leia Mais]

  • 28.03.2016 - Democracia e Direitos para uma Política Madura [Leia Mais]

  • 11.03.2016 - JUSTIÇA FISCAL E O LUCRO DOS BANCOS [Leia Mais]

  • 01.03.2016 - Com animação fica mais fácil de entender [Leia Mais]

  • 24.07.2015 - Terceira Conferência do Financiamento para o Desenvolvimento Desaponta e perde Ambição [Leia Mais]

Novo Marco Regulatório das ONGs assinado pela Presidenta Dilma é debatido no Recife

ABONG-PE realiza encontro nesta quinta (05) com Organizações Não-Governamentais

A Lei 13.019/2014, que trata do Marco Regulatório das Organizações Não Governamentais (MROSC), assinada na última quarta (27) pela Presidenta Dilma, será tema de encontro promovido pela ABONG-PE no próximo dia 05 de maio, no Recife. Cerca de 50 integrantes de ONGs no Estado se reúnem para conhecer o novo marco jurídico que passará a regular a relação entre a administração pública e as organizações da sociedade civil (OSCs). O evento vai detalhar o MROSC, discutir sua implementação em Pernambuco e tirar dúvidas a respeito da Lei.

Com o tema "MROSC: Democratizar os recursos públicos e fortalecer a defesa dos direitos e bens comuns", o evento contará com a presença de duas convidadas – Eleuteria Amora, diretora nacional da ABONG e uma das principais líderes durante o processo de discussão da lei, e Paula Storto, advogada e professora em Legislação Aplicada a Terceiro Setor.

Para Eleuteria Amora, o momento político provoca as organizações para uma resistência de lutas para que não haja retrocessos. "Do ponto de vista do MROSC, considerando que nós conseguimos construir uma lei que regula a transferência de recursos públicos em tempo recorde, isto é uma grande conquista, mesmo com este congresso reacionário. A Abong teve e continuará tendo um papel determinante neste processo. Agora é trabalhar para que, em âmbito federal, nos estados e nos municípios a Lei seja regulamentada e com transparência", disse.

Por ser uma norma que altera muitas regras aplicadas pela administração pública às parcerias com as OSCs, a Lei 13.019/2014 exige de todos(as) um olhar mais apurado para a importância das OSCs como parceiras importantes do Estado na proposição e execução de políticas públicas.

"Um dos principais pontos é a segurança jurídica que a Lei proporciona para um universo de relações que sempre foi regulada por portarias e atos de autoridades por convênio. Com mudanças significativas como: vedar a realização de novos convênios, a criação de um novo regime jurídico próprio para essas parcerias e a unificação desse regime para União, Estados e Municípios. O que pode possibilitar um planejamento tanto por parte do poder público como para as ONGs, evitando erros e descontinuidade das parcerias. Por meio da governança interna, vai exigir que as organizações revisitem suas normas internas para que atendam a vigência da nova legislação, assim como mantenham todas as prestações de contas em dia", informa Paula Storto, advogada e professora de Direito e Legislação Aplicada a Terceiro Setor da PUC-SP e do SENAC-SP.

O MROSC é fruto de um esforço conjunto do governo federal e da sociedade civil organizada para modernizar as relações do poder público com as Organizações da Sociedade Civil (OSCs), agentes fundamentais para a execução de iniciativas de interesse público e para o aprofundamento da democracia. E a ABONG-PE tem a satisfação de dar o pontapé inicial deste debate em Pernambuco.

O evento terá transmissão ao vivo através do link www.iteia.org.br/aovivo

Serviço:
MROSC: Democratizar os recursos públicos e fortalecer a defesa dos direitos e bens comuns
Data: 05 de maio de 2016
Hora: 9h – 17h
Onde: Gajop Assessoria Jurídica Organizações Populares
Rua do Sussego, 432 – Boa Vista


Fonte: Texto da Abong-PE
Foto: Wilson Dias/Agência Brasil



Comentar notícia sociedade civil organizada  Abong  Marco Regulatório  ONGs  Reunião  Presidente  

A campanha pelas TTF demanda uma taxa sobre as transações financeiras internacionais – mercados de câmbio, ações e derivativos. Com alíquotas menores que 1%, elas incidirão sobre um volume astronômico de recursos pois esses mercados giram trilhões de dólares por dia.

http://www.outraspalavras.net