TTF Brasil - Notícias

Notícias de parceiros

  • Instituto Justiça Fiscal

    A Injustiça Fiscal da Política de Austeridade

    Austeridade é política de corte para satisfazer o mercado financeiro. Entrevista com economista Marcelo Milan. [Leia Mais]

  • Outras Palavras

    Dowbor: como as corporações cercam a democracia

    Como os chacais desafiam o funcionamento das instituições políticas e jurídica em busca de ganhos fartos. [Leia Mais]

  • Instituto Justiça Fiscal

    Despesas da Copa do Mundo

    Ministério Público do Rio Grande do Sul requer que Fifa e Internacional devolvam dinheiro gasto com estruturas temporárias da Cop [Leia Mais]

  • Outras Palavras

    Democracia e Capitalismo, divórcio definitivo

    Num livro que diz muito ao Brasil, Wolfgang Streeck expõe mecanismos que permitiram à aristocracia financeira controlar Estado e m&iacut [Leia Mais]

Arquivos de Notícia

Últimas notícias

  • 19.08.2016 - Gestos promove tuitaço por democracia econômica e em defesa do SUS [Leia Mais]

  • 04.08.2016 - Devo não nego, pago quando puder [Leia Mais]

  • 15.07.2016 - Gestos encaminha pedido de audiência pública para debater TTF no Congresso Nacional [Leia Mais]

  • 05.07.2016 - Projeto Robin Hood quer reduzir desigualdades [Leia Mais]

  • 04.07.2016 - A crise do capitalismo financeiro vai ao cinema [Leia Mais]

  • 22.06.2016 - Mastigando o Economês: Meta Fiscal e Dívida Pública [Leia Mais]

  • 06.06.2016 - Educação Política e Econômica, eis a nossa proposta! [Leia Mais]

  • 16.05.2016 - A Consistência dos Inconsistentes [Leia Mais]

  • 13.05.2016 - Os Panama Papers e a necessidade de monitorar o fluxo de capitais [Leia Mais]

  • 11.05.2016 - Os efeitos positivos dos tributos sobre transações financeiras (TTF) no Brasil [Leia Mais]

  • 03.05.2016 - IOF para compra de moeda estrangeira sobe de 0,38% para 1,10% [Leia Mais]

  • 02.05.2016 - Novo Marco Regulatório das ONGs assinado pela Presidenta Dilma é debatido no Recife [Leia Mais]

  • 20.04.2016 - TIRADENTES, PIONEIRO NA LUTA CONTRA OS IMPOSTOS [Leia Mais]

  • 14.04.2016 - Artigo - IOF: o que é e o que pode ser? [Leia Mais]

  • 29.03.2016 - Combater a sonegação também é fazer justiça fiscal [Leia Mais]

  • 28.03.2016 - Democracia e Direitos para uma Política Madura [Leia Mais]

  • 11.03.2016 - JUSTIÇA FISCAL E O LUCRO DOS BANCOS [Leia Mais]

  • 01.03.2016 - Com animação fica mais fácil de entender [Leia Mais]

  • 24.07.2015 - Terceira Conferência do Financiamento para o Desenvolvimento Desaponta e perde Ambição [Leia Mais]

Diferença salarial entre homem e mulher aumenta com escolaridade

Quanto mais tempo de estudo tem a mulher, menos ela recebe em comparação ao homem que desempenha a mesma função. Dentro de casa, ela trabalha o dobro

Embora a diferença tenha diminuído entre 2009 e 2011, as mulheres brasileiras continuam recebendo menos que seus companheiros. Segundo o IBGE, em 2011 a renda média das mulheres, de 997 reais, era 70,4% da média do rendimento dos homens, de 1.417 reais. Em 2009, o valor recebido pelas mulheres representava ainda menos que isso: 67,1% do salário médio masculino.

Mas, ao contrário do que se poderia pensar, quanto mais as mulheres estudam, maior é a diferença – para menos – do seu salário em relação ao dos homens. Em 2012, o salário médio das mulheres atingiu 73% do dos homens. Mas, no grupo de mulheres com escolaridade de 12 anos ou mais, o rendimento feminino cai para 66% da renda masculina. Os dados estão na Síntese de Indicadores Sociais – Uma análise das condições de vida dos brasileiros, divulgada dia 29 de novembro pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O nível de escolaridade formal da população brasileira tem se elevado nos últimos anos. Na virada do século XX para o XXI, 40 a 50% dos homens e das mulheres tinham menos de 4 anos de estudo, e só cerca de 20 a 30% apresentavam escolaridade de nível médio ou superior (mais de 9 anos de estudo). Já em 2007, contudo, antes mesmo do final da primeira década do milênio, consolida-se a tendência de maior escolaridade das mulheres: 39% delas passam a ter mais de 9 anos de estudo, para 35% dos homens. Os dados são da Fundação Carlos Chagas (http://www.fcc.org.br/bdmulheres/serie3.php).

Isso, porém, não eliminou a desigualdade de gênero no mercado de trabalho. Em cargos de gerência, as mulheres também estão em desvantagem. São 5% as mulheres com 25 anos ou mais em cargos de direção, para 5,4 de homens. A desigualdade ocorre mesmo em setores em que as mulheres são maioria, como saúde, educação e serviços sociais – nessas áreas, as mulheres em cargo de chefia não ganham mais que 60% do valor recebido pelos homens.

As mulheres são maioria nos trabalhos precários e não remunerados – estão mais concentradas no trabalho doméstico e na produção para o próprio uso e consumo, como o trabalho não remunerado. Elas trabalham menos no mercado formal – 42,1 horas semanas para os homens e 36,1 para as mulheres –, mas fazem o dobro da jornada masculina nos trabalhos domésticos – 20,8 horas delas para 10 horas deles. A tendência, porém, parece apontar para uma melhora: em comparação com 2002, foram duas horas a menos para as mulheres e o mesmo tempo para os homens.

Para ter acesso ao relatório: ftp://ftp.ibge.gov.br/Indicadores_Sociais/Sintese_de_Indicadores_Sociais_2012/SIS_2012.pdf



Comentar notícia Objetivos Desenvolvimento do Milênio  Desigualdade  Gênero  Mulher  

A campanha pelas TTF demanda uma taxa sobre as transações financeiras internacionais – mercados de câmbio, ações e derivativos. Com alíquotas menores que 1%, elas incidirão sobre um volume astronômico de recursos pois esses mercados giram trilhões de dólares por dia.

http://www.outraspalavras.net